UNIVERSIDADE FEDERAL DE VI OSA Departamento de Medicina Veterin ria

Universidade federal de vi osa departamento de medicina veterin ria l.jpg
1 / 38
0
0
967 days ago, 388 views
PowerPoint PPT Presentation
UNIVERSIDADE Government DE VI

Presentation Transcript

Slide 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Medicina Veterinária DERMATITE ATÓPICA CANINA Elisa Bourguignon Dias da Silva Roberta Valeriano dos Santos Viçosa 2009

Slide 2

Introdução O que é DAC ? Sinonímia: Atopia Dermatite alérgica an inalantes Animais atópicos tornam-se sensibilizados an antígenos ambientais que não causam doença naqueles não atópicos (SCOTT; MILLER; GRIFFIN, 2001).

Slide 3

Características Doença geneticamente programada Acomete cães de 4 meses a 7 anos 70%: 1 a 3 anos Fêmeas Sazonalidade Váriavel Deficiência da função da barreira percutânea (SCOTT; MILLER; GRIFFIN, 2001)

Slide 4

DAC - Características Predisposição racial

Slide 5

DAC - Características Alérgenos mais relatados no cão (SCOTT; MILLER; GRIFFIN, 2001). Ácaros da poeira doméstica Poeira doméstica Descamação da pele humana Penas Mofo Pólen de ervas, gramas e árvores

Slide 6

Patogenia Animais predispostos absorvem por by means of percutânea, inalam ou ingerem o alérgeno. Produção de Ig E ou Ig G alérgeno-específica

Slide 7

Patogenia Alérgeno IgE na cél. de Langerhans Apresentação p/sist imune expansão de céls. T IgE mastócitos ativ. subst. pró-inflamatórias cronicidade

Slide 8

Sinais Clínicos An apresentação primária da DAC é o PRURIDO Não Lesional

Slide 9

DAC – Sinais Clínicos Distribuição das lesões primárias Região Mentoniana Região Axilar Extremidades de Membros Pavilhão auricular Região Ventral de Abdomen Região periocular Região perianal

Slide 10

Lesões de pele associadas a DAC Piodermite (Foliculite, Furunculose) Dermatite por Malassezia Seborréias Secundárias Alopecia e Eritema generalizado Dermatite por Lambedura

Slide 11

Dermatite Atópica Lesões Secundárias Otite Atópica Blefarite Atópica 75% dos cães atópicos apresentam DAPP Pode estar associada an Alergia Alimentar half podem apresentar otite externa e conjuntivite atópica

Slide 12

Sinais Clínicos Não Cutâneos Rinite Asma Distúrbios Urinários Hipersensibilidade hormonal Distúrbios gastrointestinais

Slide 13

Diagnóstico Não existe sinal clínico patognomônico que permita definir o diagnóstico pela anamnese ou exame clínico (DEBOER; HILLIER, 2001).

Slide 14

Diagnóstico Anamnese Sinais Clínicos Testes laboratoriais Eliminação de ectoparasitas (Pulgas) Dieta Teste Testes Intradérmicos Sorológicos

Slide 15

Nenhum testicle alérgico é completamente sensível ou específico (DEBOER; HILLIER, 2001). Diagnóstico DAC Testes alérgicos

Slide 16

Diagnóstico DAC Teste intradérmico É considerado o "padrão ouro" para confirmar o diagnóstico (HILLIER; DEBOER, 2001).

Slide 17

Não são usados exclusivamente para diagnóstico Útil para determinar quais alérgenos podem ser usados na dessensibilização Diagnóstico DAC Teste Sorológico

Slide 18

DIAGNÓSTICO DE EXCLUSÃO

Slide 19

Diagnóstico Diferencial Difícil Longo Variação dos sinais presentes Complicações secundárias

Slide 20

Alergia alimentar Diagnóstico Diferencial DAPP Escabiose Alergia a picada de insetos (mosquitos) Alergia de contato

Slide 21

Hipersensibilidade a parasitas intestinais Foliculite bacteriana primária Dermatite causada por Malassezia Diagnóstico diferencial DAC

Slide 22

Tratamento A DAC não tem cura e sim controle Na maioria dos casos uma só droga não é suficiente Para o resto da vida

Slide 23

Tratamento DAC Tratamento das infecções secundárias Restrição do contato com os alérgenos

Slide 24

Tratamento DAC Imunoterapia alérgeno-específica É definida como a prática de administrar gradualmente, quantidades crescentes de extratos de alérgenos, com o objetivo de melhorar os sinais induzidos pela exposição ao alérgeno (Colombo et al , 2005, 2007; Griffin e Hillier, 2001).

Slide 25

Tratamento DAC Mecanismo de ação 24.5% excelente, 33% boa, 21.2% moderada e 21.3% ruim Reações adversas 18.5% (COLOMBO et al, 2007) Vantagens e desvantagens

Slide 26

Tratamento DAC Anti-histamínicos Mecanismo de ação Efeitos colaterais

Slide 27

Tratamento DAC Clorfeniramina, difenidramina e o hidroxizine tiveram eficácia em 10% Cetirizina 18% Clemastina em 30% Trimeprazina 3% Terfenadina até 60% (Scott et al., 2001; Olivry e Mueller, 2003; Cook et al , 2004; Farias, 2007). Sinergismo com glicocorticóides

Slide 28

Tratamento DAC A resposta à terapia com hostile to histamínicos em cães é singular e imprevisível Resultados em 7 a 14 dias

Slide 29

Tratamento DAC Glicocorticóides Sistêmicos O Mecanismo de ação: previne an ativação de várias células imunes supressão de citocinas produzidas pelas células T Podem ativar qualities antiinflamatórios

Slide 30

Tratamento DAC Prednisolona (0.5mg/Kg SID) p/6 semanas. Melhora do prurido em 71% (Olivry et al.,2002) Metilprednisolona ( 0.5-1mg/Kg SID) com ajustes na measurement p/8 semamas. Melhora de 58% (Steffan et al., 2003) Efeitos colaterais

Slide 31

Tratamento DAC Ácidos graxos essenciais Mecanismo de ação Variação de 0 a 40% de melhora nos sinais clínicos (Olivry et al., 2001). Sinergia Rações para cães atópicos Efeitos colaterais

Slide 32

Tratamento DAC Ciclosporina Droga utilizada no tratamento da rejeição de órgãos em humanos Mecanismo de ação Inibe an atividade dos mastócitos, secreção de citocinas, funções dos linfócitos T e IgE Dose recomendada 5mg/Kg 1 vez ao dia Redução da measurement (cetoconazol 5mg/Kg 2X ao dia) (Marsella e Olivry, 2001; Olivry et al , 2002; Steffan et al , 2004)

Slide 33

Tratamento DAC As médias de melhora dos sinais clínicos variaram de 30 a 52% até 4 sem. e de 53 a 84% após 6 semanas (Steffan; Favrot; Mueller, 2006) Comparação com corticóides Efeitos Colaterais

Slide 34

Atividade semelhante a da ciclosporina Mecanismo de ação Pomada de tacrolimo 0.1% (Protopic ®), melhora de 75% Efeitos colaterais (Bensignor; Olivry, 2005) Pimecrolimus Tratamento DAC Tacrolimo

Slide 35

Tratamento DAC Outras Drogas Misoprostol: 3 a 6 mcg/kg, 3X ao dia por 30 dias Prurido diminuiu em 56% dos animais e lesões melhoraram em 61% Efeitos Colaterais (Marsella; Olivry, 2001) Pentoxifilina: 10 mg/kg, 2X ao dia por 4 semanas Redução significante do prurido e eritema Nenhum efeito colateral reportado (Marsella; Olivry, 2001)

Slide 36

Tratamento DAC Azatioprina: 2 a 2,5 mg/kg, 1X ao dia por 8 semanas Apenas 2 de 12 cães tiveram melhora sem efeitos colaterais Sinais clínicos sugestivos de doença hepática (Favrot; Reichmuth; Olivry, 2007) Tetraciclina e Niacinamida: Cães c/menos de 10 kg, 250mg e acima de 10kg 500mg a cada 8h por 2 semanas 1 cão em 19 teve resposta excelente (Beningo et al, 1999)

Slide 37

Considerações Finais

Slide 38

OBRIGADA!!!!

SPONSORS